[Outros Mundos] A Ansiedade e as Crenças 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Boletins   Anuncie   Quer colaborar?   Dúvidas técnicas  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Psicologia
Artigo (veja mais 13 artigos nesta área)

A Ansiedade e as Crenças

Por Psicóloga Elizabeth Mednicoff e equipe

Suas crenças tornam-se seus pensamentos

eus pensamentos tornam-se suas palavras
Suas palavras tornam-se suas ações
Suas ações tornam-se seus hábitos
Seus hábitos tornam-se seus valores
Seus valores tornam-se o seu destino.

Mahatma Gandhi




A vida, nos dias de hoje, é repleta de cobranças: no trabalho, na família, nas relações sociais.

A cada dia estamos mais cheios de tarefas, compromissos, pendências. Uma lista enorme de coisas a fazer. E nem sempre o tempo é suficiente.

Vem então a sensação desagradável de ter de fazer mais coisas do que damos conta, que acaba por desencadear um dos males modernos: a ansiedade.

É comum ouvirmos as pessoas se queixando: "Tenho tanto a fazer e gostaria apenas de dormir. De ficar com minha família, de assistir a um bom filme, de brincar com meus filhos ou com meu bichinho de estimação..."

Por outro lado, as exigências da vida moderna nos obrigam a fazer cursos, aperfeiçoar os conhecimentos, manter o corpo em forma, cuidar da preservação ambiental, fazer um trabalho voluntário social. É a era da exigência e da cobrança.

Como conciliar tudo isso com o natural desejo de se instruir, melhorar de vida, aproveitar oportunidades, evoluir e ao mesmo tempo não contaminar-se?

A solução é o caminho do equilíbrio, através da consciência.

É da natureza humana desejar o progresso e o aperfeiçoamento, tanto nos campos ético-moral, como intelectual e material.

Mas o grande problema de nossos dias é a ausência de limites é a necessidade de aprovação. Estamos cada vez mais comandados pelas pressões externas, subjugados pelas imposições dos diversos grupos sociais.

Raras vezes pensamos por nós. Não costumamos refletir sobre o que realmente nos interessa. Mesmo quando pensamos que estamos no comando de nossas decisões, estamos longe disso.

Em geral, tomamos decisões que se forem bem analisadas, sugerem interferências diversas incultidas pelas crenças adiquiridas ao longo da vida. Resultado: desejamos fazer de tudo um pouco, buscamos a perfeição que é inalcançável e portanto frustrante, desmotivante e completamente estressante.

E a conseqüência é a ansiedade e o stress. O corpo não suporta tanta pressão: adoece.

Nossos pensamentos e atitudes diante da vida deveriam ser mais tranquilos: "Vou aprender o que puder, quando puder e no meu ritmo, sem forçar minha natureza. Vou trabalhar fazendo o melhor que puder, mas sem a obrigação de provar coisa alguma a chefes, colegas de trabalho, aos pais, ao mundo."

Isso significaria estar no comando da própria vida. Mas o que será que acontece internamente que nos leva pra tão longe dessa paz de espírito?

Crença

A crença é um estado mental exclusivamente da raça humana, nenhum outro animal é capaz de cultivar ou transmitir tamanha subjetividade. De acordo com a epistemologia, a crença é a parte subjetiva do conhecimento, ou seja, aquilo que se acredita ser verdade mesmo que não haja nenhuma prova que confirme o fato.

Tudo em sua vida é baseado no que você acredita como verdadeiro, ou seja, todos temos um conjunto de crenças do qual fazem parte todas as experiências que emocionalmente nos marcaram. Essas experiências marcantes formaram e continuam formando pensamentos e sentimentos com relação a você mesmo. Tudo que você acredtia como sendo verdadeiro afeta suas experiências, trazendo resultados positivos ou negativos.

São conceitos que desenvolvemos no decorrer de nossa vida e que como são inconscientes, na maioria das vezes não sabemos que existem, embora atuem com eficiência para nos impedir ou nos aproximar de nossos objetivos.

Ansiedade

A ansiedade é identificada pelos sentimentos de angústia, insatisfação, por sintomas físicos diversos, como taquicardia, sudorese, que surgem se se saber ao certo qual a origem, apesar de saber que está relacionada a dificuldade de se viver no momento presente.

Viver num outro tempo que não o presente, é o mesmo que viver constantemente num lugar desconhecido, que não se sabe o que pode acontecer, nem o que apresentará. Dessa forma o teu corpo em resposta aos teus pensamentos ansiosos se prepara para uma luta ou para uma fuga.

Diante de um perigo real a ansiedade é importantíssima, pq ela irá preparar o teu corpo para liberar adrenalina, o batimento cardíaco acelera, a circulação fica mais rápida, vc respira mais rapidamente para oxigenar o cérebro e ele funciona melhor, o sangue sai das extremidades e vai para a periferia, te protegendo em caso de acidente de um sangramento descontrolado. Dá pra notar que o corpo está se preparando para uma luta. Se não tivéssemos esse tipo de defesa e preparação nós não enfrentaríamos os perigos reais. Isso é a ansiedade que é benéfica pq prepara o teu corpo para te proteger.

Mas diante de um perigo que não existe toda essa preparação é desnecessária e desgastante ao organismo. Se isso acontece constantemente, uma fragilidade da tua percepção de realidade e de consciência dos aspectos internos motivadores das tuas sensações vai se instalando. É como um elástico constantemente estendido, quando solto fica flácido e perde sua função. Assim vc acaba “fugindo” constantemente de coisas corriqueiras por sentí-las como ameaçadoras. Cria-se uma “defesa” àquilo que parece ameaçador, mas que na verdade não existe a não ser dentro dos pensamentos considerados limitantes.

Esta é a ansiedade patológica que está ligada diretamente a perigos imaginários, fantasiosos e não reais. O "perigo" está no pensamento equivocado quando se dá vazão a imaginar tudo que pode e não pode acontecer, e os motivos de tudo que se passa dentro e fora, como se assim fosse possível controlar ou saber resolver ou prever as coisas.

Eu digo que você está, onde o seu pensamento te coloca. Por isso pessoas que não conseguem viver no momento presente, voltadas aos fatos que estão acontecendo naquele momento, acabam vivendo no futuro, que é completamente assustador por estar completamente fora da possibilidade de controle.

A Influência das Crenças

Existe um mecanismo que liga a mente e o corpo. Quando percebemos que sofreremos uma agressão nosso corpo todo se prepara para a fuga: o sangue sai da periferia e encaminha-se para os músculos para dar energia necessária para a corrida.

Mente e corpo trabalham em conjunto, sendo que a mente comanda e o corpo obedece. Assim acontece com tudo que se encontra parado em nosso pensamento, as imagens mentais de doenças refletem em nosso organismo alguma disfunção e assim funciona para todos os tipos de pensamentos.

A imaginação programa e a vontade opera. E para quem não sabe, a vontade é fraca numa luta contra a imaginação, poque a imaginação sempre ganha da vontade.

A manifestação dos nossos pensamentos só pode ocorrer através do concreto. O nosso corpo expressa através das nossas atitudes e comportamento o que vai nos mais profundo do nosso ser.

É através do nosso corpo que entramos em contato com o que a vida nos oferece ao analisarmos a nossa forma de lidar com os relacionamentos, emprego, dinheiro, ou seja, tudo que está ao nosso redor, teremos um panorama muito bom do que vai na nossa alma.

As crenças e a ansiedade estão ligadas. Vc tem crenças e elas te conduzem emocionalmente a alguns resultados. As crenças podem ser negativas que levam a resultados de ansiedade patológica, mas se forem crenças positivas geram a ansiedade boa que resulta na aproximação com aquilo que se quer.

A ansiedade está na grande maioria das vezes relacionada com preocupação. A ansiedade ocupa a sua mente de uma forma mais concreta, através da antecipação de coisas que poderão acontecer ou nunca acontecerão. E estes pensamentos catastróficos ou desestimulantes, ou essas preocupações, só ocorrem pq nossos pensamentos estão presos a crenças normalmente as negativas. A preocupação pode ser útil quando te leva a agir e a resolver um problema. Mas se você está preocupado com coisas fora da realidade (do aqui e agora), então, a preocupação é mais um problema que te tira do seu foco, do seu caminho hoje, que determinará o seu futuro.

A crença de bons resultados que determinam merecimento, não está totalmente errada. O que acontece é que o tempo, a forma e o rigor pra isso estão distorcidos. Atualmente não se tem tempo das coisas acontecerem através de um processo de elaboração e desenvolvimento. As pessoas são imediatistas, estamos na era da tecnologia virtual.

Imagina-se, portanto, que se você não tem um bom emprego, significa que você é uma pessoa incompetente. No entando o significado em primeiro lugar deveria ser de que aquele que não considera àquele como um bom emprego, é porque não o valoriza. Para muitos outros poderia ser um ótimo emprego. Depende do ponto de vista, mas a tendência é ficar sentindo-se o pior dos piores por isso. Mas para quem mesmo aquele emprego não é bom? Não é bom por qual motivo? Se analisar chegará a conclusão de que existem influências externas aos teus conceitos que levam a desvalorização.

Qual a realidade sobre as escolhas e decisões tomadas? Quem está pensando por você? Quanto a sociedade interfere nas tuas escolhas e na tua avaliação do que é bom ou ruim?

Conclusão

Os pensamentos ansiosos são alimentados pelas crenças, as positivas e as negativas, que irão te levar a uma tendência mental mais equilibrada ou desequilibrada.

Dúvidas e medos irracionais são paralisantes, desmotivantes e não produtivos. A ansiedade e consequentemente a preocupação exagerada sugam a sua energia emocional, aumentam os níveis de tensão, e interferem com o seu dia a dia, tudo isso sem nenhum retorno positivo. Uma vez que vc entra no padrão de ansiedade, a preocupação segue desencadeando um processamento ansioso que tira o foco, a razão e o controle. Em conseqüência surgem sentimentos sobre as tuas preocupações. As tuas preocupações começam a incomodar, passando a se manifestar de forma sintomática, prejudicando o sono, a concentração, a alimentação, o humor e aumentando os pensamentos pessimistas, catastróficos e cruéis.

A boa notícia é que o terrível hábito da preocupação crônica é um processamento mental que você pode aprender a diminuir e até mesmo a superar. Você pode treinar a sua mente de forma a ficar mais calmo e controlado, permitindo olhar a vida com outros olhos e por outro ângulo.

Dicas

A primeira dica que irá ajudar a mudar essas crenças e portanto todo o restante que é sintoma e não causa, é perceber que algumas preocupações são justificáveis e outras são infundadas. Preocupação é para coisas presentes, reais, que estão acontecendo e podem ser resolvidas no ato, através de uma organização mental que define passo a passo para o alcance de resultados.

Quando isso acontece, o sentido da preocupação, dos pensamentos tem uma finalidade positiva e podem ocorrer nessa proporção do que relatei. Se foge disso, então, não tem serventia, além do auto-boicote, paralisação, punição, baixa autoestima, etc.

Entender que a preocupação que uma crença gera é tão prejudicial quanto acreditar que precisa se preocupar para poder conseguir uma solução é um outro engano grande e que dispara ainda mais a ansiedade e a busca por resultados.

Perceber que a preocupação é o próprio problema, assim como as crenças negativas, ajuda a recuperar o equilíbrio emocional e a reestruturar os padrões mentais para uma forma mais positiva e otimista de ver a vida. Estou falando sobre preocupação naquele sentido de ficar ruminando uma possível ameaça ou problema não sendo ele real.

Uma outra dica pra trabalhar com as crenças é arrumar uma hora pra pensar nelas. É difícil ser produtivo quando aquilo que vc acredita te leva pro chão ou a lugar nenhum.

Simplesmente tentar parar de se preocupar não funciona, pelo menos não por muito tempo. Você pode distrair-se por um momento (o que momentaneamente pode ser benéfico), mas você não pode banir os seus pensamentos ansiosos. Quanto mais se fala não para eles, mais eles querem aparecer.

Por isso melhor do que ficar brigando com um pensamento ansioso ou uma crença negativa, desenvolva o hábito de adiar a preocupação, mas com uma finalidade positiva. Vc pode criar um horário para a sua reflexão, sobre as tuas preocupações, crenças, ansiedades, etc. Escolha um horário e um lugar bem definidos pra se preocupar. Procure determinar um horário tranqüilo, para todos os dias praticar esse novo hábito. Vamos dizer que vc defina das 19:30h as 20h, todos os dias no seu quarto.

Assim deve ser feito para que se crie um novo hábito. Procure escolher um horário que seja distante do horário de dormir para que a ansiedade daquele momento não interfira no sono, nem mesmo em horários que você tenha que fazer atividades que necessitam de mais calma e tranqüilidade. Durante o seu período de preocupação, você está autorizado a se preocupar com o que lhe atormenta a mente, com aquilo que te impede de melhorar, de progredir e alcançar. O resto do dia, porém, é uma zona livre de preocupações e isso deve ser respeitado.

Vamos dizer que um pensamento ansioso, uma crença limitante venha a te martelar num horário fora daquele proposto, você pega um caderninho, um bloco de papel, anota a questão e adia o processamento de informações para o “período de preocupação”. Sabendo que terá tempo suficiente para pensar naquilo mais tarde com total dedicação, a questão não trará a ansiedade e o desanimo, porque você saberá que irá parar pra refletir no momento adequado. Assim as atividades do teu dia não sofrerão com interferências que na maioria das vezes surgem com esse propósito mesmo, o de tirar o teu foco.

Na hora apropriada, use sua lista de preocupações e durante o período para se preocupar faça-o de uma forma produtiva. Se os pensamentos que vc anotou durante o dia ainda estão te atormentando, permita-se preocupar e refletir de forma organizada e coerente, levando sempre em conta o tempo que programou diariamente. Se são 15 minutos, respeitar esse tempo, deixando para o dia seguinte as pendências. Talvez no próximo momento de preocupação que tiver, as questões que surgiram durante o dia, já não façam mais sentido, mas se ainda fizerem, faça sua reflexão orientada para solução.

Essa dica tem várias finalidades, a de usar o pensamento de forma produtiva e não como boicote, também favorece a quebra de padrões de pensamentos incoerentes, como as crenças negativas, permite que você tenha um dia produtivo sem questões que te tiram do foco, e o mais interessante, te ajuda a lidar com os pensamentos de uma forma a aumentar o seu controle sobre eles.

Pode ser que você olhe para o mundo parecendo que ele é mais perigoso do que realmente é. Por exemplo, você pode acreditar na possibilidade de que as coisas vão sair mal, de que nada vai dar certo, pensar em cenários catastróficos, ou tratar cada pensamento negativo, como se fosse um fato real. Você também pode acreditar na sua própria incapacidade para lidar com os problemas da vida, assumindo que tudo irá correr mal ao primeiro sinal de dificuldade. Estes pensamentos irracionais e atitudes pessimistas são conhecidas como distorções cognitivas ou como crenças negativas sobre si mesma ou sobre o ser humano de forma geral.

Apesar das distorções não serem baseadas na realidade, fica difícil ter uma referência para contrapor e eliminar este tipo de raciocínio. Muitas vezes, estas distorções são parte de um padrão de pensamento que você aprendeu lá na infância e tem usado ao longo da vida e tornou-se tão automático que nem sequer está totalmente consciente disso.

Uma dica pra quebrar esses hábitos de pensamento destrutivo e distorcido e parar a preocupação e a ansiedade que eles originam, é você treinar a sua mente com novas formas de raciocínio, elegendo um pensamento positivo e adequado para cada questão.

Comece por identificar o pensamento perturbador, sendo o mais detalhado possível sobre o que o assusta ou preocupa. Então, ao invés de ver os seus pensamentos como fatos, olhe para eles como hipóteses que você está testando no sentido de verificar se vão ao encontro daquilo que quer para si e lhe servem para alguma coisa útil. Ao examinar e desafiar os seus medos e preocupações, você vai desenvolver equilíbrio emocional.



Exercícios





Primeiro Exercício





Faça a si mesmo as perguntas que estão na sequência. Contradiga os teus pensamentos negativos, coloque-os a prova, responda com honestidade as seguintes perguntas e anote-as.





• Qual é a evidência de que esse teu pensamento é verdadeiro?

• Existe uma forma mais positiva, realista de encarar essa situação?

• Qual é a probabilidade de que o que eu tenho medo realmente aconteça?

• Se a probabilidade é baixa, quais serão alguns dos resultados mais prováveis?

• Se a probabilidade é alta, o que você pode fazer para evitar?

• É um pensamento útil este que você tem? Preocupar-me com isso me ajudará ou me prejudicará?

• O que eu diria a um amigo que tenha esta mesma preocupação?





Segundo Exercício





Este exercício é bacana para detectar as crenças.





• Faça uma autoanálise crítica de tudo que tem vivido até agora e reavalie os resultados alcançados com as atitudes que tomou. Pense num objetivo que tinha, veja quais os pensamentos que estavam vinculados, quais as atitudes tomadas para alcançar aquele objetivo, quais os resultados obtidos e por fim faça sua avaliação.





• Tome por base que o pensamento gerador de atitudes positivas são suas crenças positivas e que devem ser preservadas, pois elas te aproximaram do resultado que queria e o pensamento gerador de atitudes negativas, são suas crenças limitantes, que te afastaram daquilo que queria e portanto precisam ser transformadas.





• Pegue uma folha de papel e monte uma tabela com cinco colunas: Objetivo, Pensamentos, Atitudes, Resultado e Avaliação.





• Preencha com os objetivos que foram mais marcantes e ao final monte uma lista com os resultados da Avaliação. Quais as crenças positivas e quais as limitantes e tome as providências que já sabe devem ser tomadas.





Reflexão

"O maior sentido da vida é a consciência da riqueza de nosso mundo interior. Somos essências divinas em busca da perfeição, cujo caminho é o auto-descobrimento. Vamos em busca de reconquistar a auto-confiança perdida...” este é o trabalho...redescobrir o “divino” em cada um de nós...não o "Deus" castigador...que pune a maldade...e que virá castigar caso “não ande na linha”...não somos vítimas do mundo, você pode mudar isto agora mesmo...agradecendo o que já tem e buscando novos conhecimentos.

Leia um pequeno conto hindú que retrata bem o que falamos:





A Riqueza Interior





Conta-se que houve um tempo em que os seres humanos eram deuses, mas eles abusaram tanto de sua divindade que Brahma, o criador, acabou decidindo retirar-lhes o poder. Quis escondê-lo num lugar onde seria impossível encontrá-lo, mas teve dificuldade em achar tal esconderijo.





Brahma chamou um conselho de deuses para resolver o problema. A primeira idéia foi enterrar a divindade do ser humano na terra. Brahma, porém, respondeu: “Não, isto não basta, pois o homem vai cavar e encontrá-la”. Os deuses retrucaram: “Então joguemos a divindade no fundo dos oceanos”. Brahma não aceitou a proposta, pois achou que o ser humano um dia iria explorar as profundezas dos mares e acabaria recuperando sua divindade.





Assim, os deuses concluíram que não sabiam onde esconder a deidade humana, pois não existe na terra ou no mar lugar onde a humanidade não possa alcançar um dia. Brahma, então, se pronunciou: “Eis o que vamos fazer com a divindade humana: vamos escondê-la nas profundezas dele mesmo, pois é o único lugar onde ele jamais pensará em procurá-la”.





Daí em diante, o ser humano tem ido aos mais distantes lugares, na terra e no espaço, explorando, escalando, mergulhando e cavando, procurando aquilo que se encontra dentro dele mesmo.





E, se esse papo “te tocou”, procure ajuda de um psicólogo ou psicanalista, entrando em contato conosco, nosso trabalho é justamente para ajudá-lo. Abra-se para uma nova forma de ver, pensar, sentir e agir!

Publicado em 26/06/2012 às 16:30 hs, atualizado em 04/09/2012 às 16:17 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 13 ARTIGOS SOBRE :
Psicoterapia na Terceira Idade
Dica e Exercícios para Detectar Crenças e Diminuir Ansiedade
Inteligência Emocional pode ser a chave para o sucesso
Qual é a Diferença entre Psiquiatra, Psicólogo e Psicanalista?
Carência afetiva - Inimiga número um do nosso crescimento
Quem sou eu, e como posso sentir-me bem comigo mesmo?
Onde estão os problemas: dentro ou fora de você?
Medo de Dirigir: como enfrentar?
O Que é Depressão?
Relacionamento entre Pais e Filhos
Violência doméstica, Crise de Valores e Violência
Largue o papel de vítima!
Como desenvolver a auto-confiança

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Auto-ajuda, terapias e esoterismo e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.