[Outros Mundos] Violência doméstica, Crise de Valores e Violência 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Psicologia
Artigo (veja mais 13 artigos nesta área)

Violência doméstica, Crise de Valores e Violência


Diante de acontecimentos que surgem esporadicamente na imprensa, sobre filhos que matam os pais, netos que degolam avós, pais que matam filhos e toda sorte de crimes entre parentes próximos, algumas pessoas podem estar pensando que esse conjunto de fatos e de fenômenos denuncia uma alteração cultural ou indícios de alguma crise da própria civilização.

O assunto é antigo, vem desde a briga entre Caim e Abel. Por isso, talvez, o problema não deva ser exclusivamente da sociedade ou da civilização. Em tese, o enfoque deveria ser dirigido à pessoa que, junto com outras tantas, acabam compondo a sociedade. Não acredito que a pessoa em si, dentro da sua constituição psicológica normal, faça este tipo de coisa. Mas, também, acredito que as pessoas tenham estado diferente do que tem sido há, digamos, uns 10 mil anos.

Talvez o problema seja da imprensa e da mídia, essa estrutura internética que nos oferece notícias em quantidade e velocidade estonteantes, fazendo-nos saber desses crimes mais do que saberíamos em outras épocas.

O que parece estar acontecendo é que os comportamentos, as normas e o sentido global da vida individual e comunitária não se inspiram em padrões éticos de valores, preferindo se iludir ao sabor de critérios imediatistas, consumistas, e pragmáticos.

Num português mais direto, preferindo-se o que se pode ter agora, consumir vertiginosamente, o prazer sem conseqüências e tudo o que for mais fácil. Embora não se possa ter certeza de que a maneira da sociedade se conduzir, hoje, seja diferente do que fora em outras épocas, pelo menos uma verdade se detecta: há, atualmente, muito maior apelo ao consumo e ao prazer do que antes.

Mas, o ser humano, em si, continua sendo o mesmo, tenha tido ele que usar da espada, da caneta ou do satélite, seus propósitos, anseios e paixões continuam os mesmos que sempre foram. O ser humano normal sempre foi ávido de seus direitos e, supondo ser correto o ditado segundo o qual “o condenado se consola na dor do semelhante”, há uma grande tendência das pessoas que não têm as mesmas coisas e os mesmos prazeres que outras, desejarem ardorosamente uma equiparação.

Talvez, em outras épocas, as pessoas não tivessem informação ou noção do que se pode ter na vida. Atualmente, através da mídia, o cidadão normal vê em sua televisão, no cinema ou nas revistas, tudo aquilo que poderia usufruir e a “vida lhe nega”.

A pessoa normal se frustra muito mais sabendo dessas coisas do que as ignorando, e, a partir desse conhecimento, começa a querer também. Começa a achar que seu carma não pode ser tão diferente do carma daquele seu “semelhante” que vive na riqueza.

Se princípios éticos não forem acrescidos à formação dessas pessoas desde o berço, os meios para conquistar a pretendida igualdade tornam-se eminentemente antiéticos.

Talvez a poção mágica que está transformando nossa sociedade seja composta de uma perigosa combinação entre a vitrine do prazer e do consumo, oferecida pela mídia, com o fascínio da liberdade plena, pretensamente virtuosa em sua essência.

Talvez, também, se o slogan da Revolução Francesa tivesse sido “Liberdade responsável, Igualdade de oportunidades e Fraternidade Tolerante”, o mundo ocidental seria diferente. Inculca-se na pessoa desde criança, atendendo a uma leitura deficiente e incompleta de algumas correntes psicologistas, um exercício da liberdade sem limites, deixando de lado o ensinamento de que a dignidade desta liberdade reside na responsabilidade, pois o exercício da liberdade deve ser a expressão do respeito de cada pessoa em relação a si mesma e em relação ao seu semelhante.

Pois bem, primeiro a mídia coloca na consciência humana de tudo aquilo que é possível ter, depois, a liberdade dá rédeas soltas aos meios de tê-las. Deu no que deu.

A imediatização da vida exige meios mais eficientes e rápidos para a aquisição do prazer, e a liberdade, destituída de sua contra-partida que é a responsabilidade, dá, para pessoas órfãs de princípios éticos, o aval de se poder fazer o que quiser.

Nas pessoas bem formadas surge uma enorme frustração em ver que os outros fazem tudo aquilo que elas não se permitem.

E essas pessoas estão órfãs de ética porque?

Talvez porque interesse ao mercado de consumo, que as pessoas não pensem tanto, apenas consuma...A conquista dos objetivos através da liberdade plena, antiética, amoral e estimulada pela glorificação do sucesso, fez surgir novos poderes, fragilizando aqueles em que, tradicionalmente, se assentava a sociedade.

Com isso surgem sintomas de falta de confiança no sistema judicial, porque o que é legal não significa, necessariamente, moral.

Esse é, aliás, um sintoma preocupante das sociedades ocidentais, onde a ordem legal se afasta, muito freqüentemente, da ordem ética. Surgem também sintomas de falta de garantias dos direitos e da dignidade, sintomas de falta de referenciais morais, perda de confiança nas instituições e nos valores.

A liberdade sexual é, hoje, um tabu onde ninguém ousa tocar, pois o policiamento dessa liberdade é extremamente opressor. Daí decorrem as doenças sexualmente transmissíveis, aumento de adolescentes que engravidam, aborto complicado e letal, medo dos relacionamentos duradouros e banalização do amor.

A instituição social gasta milhões no tratamento da AIDS, orienta e oferece preservativos gratuitamente, mas não se vê uma palavra sobre valores e preservação da dignidade da pessoa, muito pelo contrário. A televisão mostra cada vez mais cenas de sexo explícito entre pessoas que mal se conhecem, tentando convencer que o facultativo é obrigatório, como um indispensável passaporte para a modernidade.

A liberdade dos usos e costumes leva ao abuso das drogas. Nesse caso a instituição social oferece gratuitamente seringas descartáveis, gasta milhões nas internações hospitalares, etc, mas não se diz uma palavra que sugira responsabilidade no exercício da liberdade de comportamento.

Aliás, parece não haver vontade para resolver esse problema de vez. A engenharia genética, se quisesse, já estaria dotada de recursos para desenvolver doenças capazes de dizimar plantações de coca, maconha e ópio.

Crianças Frustradas - Mito ou Realidade

Há um enorme conflito habitando a mente do homem moderno; por um lado, a necessidade quase imperiosa de ter sucesso, e atualmente isso significa, exclusiva-mente, sucesso financeiro. Por outro lado, o freqüente custo amargo desse sucesso.

Segundo uma tendência deteriorante da sociedade intelectóide, crianças não podem se frustrar. Se elas se sentirem diferentes de seus pares, se elas não tiverem os bens de consumo de seus coleguinhas, telefone celular, roupas de grife, dinheiro para bares, boates e afins, enfim, se elas não se inserirem totalmente no mundo consumista que contactuam na escola e na mídia, pode ocorrer uma enorme tragédia; ficam frustradas.

Diante dessa perspectiva lúgubre, os pais têm de dotá-las dessa "penosa normalidade" e, para tal, têm que trabalhar muito. Às vezes tem que trabalhar o pai e a mãe e, com isso, na falta de alguém para educar e orientar essas crianças, elas acabam indo parar em creches e pré-escolas.

E nas creches e pré escolas o que lhes é ensinado?


Bem, aí já é outra questão, muito mais longa. Além disso, essas crianças correm o risco de crescerem frustradas porque seus pais são, como se diz modernamente, ausentes. As crianças, incluindo aqui adolescentes, que por sinal são crianças pioradas, reivindicam desde os 11-12 anos, direitos dos adultos. Elas sempre têm coleguinhas cujos pais deixam fazer de tudo, permitem tudo e dão tudo e, novamente para não crescerem frustradas, ou pior, revoltadas, recebem tudo.

Depois que perdem a virgindade, se drogam e chegam em casa bêbadas, os pais se sentem culpados, novamente por terem sido ausentes.

Para minimizar a culpa ou continuar furtando-se da árdua tarefa de educar, levam os filhos a psicólogos ou para os Psicanalistas.

Agora pasmem: uma excelente reportagem intitulada Jovem sabe o que há de errado com a família, de autoria de Daniela Tófoli e publicado no Jornal da Tarde de 11/02/03 mostra-se que, na opinião dos jovens, o erro foi terem tido excesso de liberdade.

Juntando essa pesquisa, sensata e, possivelmente, verdadeira, o conflito dos pais aumenta muito.

O que faremos com tudo aquilo que ouvimos dos psicólogos, educadores, pediatras, Psicanalistas e psiquiatras a favor da liberdade aos filhos, agora que eles já estão no ápice dos problemas de conduta?

Algumas correntes mais fantasiosas chegam a defender a idéia de que o quarto do filho é seu espaço inviolável, que suas opções de indumentária sejam prontamente aceitas (incluindo aqui piercings, tatuagens e toda sorte de automutilação), e outras liberalidades semelhantes.

As correntes libertárias e irresponsáveis, porque nem sempre seus defensores são pais, se propagam pela mídia, desde o cinema até programas atuais como os Big Bro-thers da vida e são defendidas com furor de orgasmo por mães que anseiam, não apenas serem consideradas amigas dos filhos, como também pessoas bacanas, legais, modernas e qualquer outro adjetivo que as faça esquecer que estão envelhecendo.

Não dar liberdade aos filhos pode causar frustração, dar liberdade também, assim como dar tudo o que querem, que dizem também corromper seus futuros ou, ao contrário, não dar o que querem deixa-os revoltados....

Se os pais não se preocupam muito em ganhar dinheiro, preferindo ficar mais tempo em casa enriquecendo a convivência com os filhos e, conseqüentemente, porventura o menino não tenha dinheiro para passar as férias em Búzios com os amigos, também fica revoltado, dizendo que seus pais são perdedores, não souberam ter o sucesso que tiveram os pais dos amiguinhos.

Se, por outro lado, os pais batalham na vida para que os filhos tenham dinheiro para passar as férias em Búzios, aí os pais serão ausentes, logo, os filhos são frustrados do mesmo jeito.

Afinal, o que querem estes assassinos?


A grande armadilha da natureza, visando a preservação da espécie, é claro, foi fazer as pessoas acreditarem que com elas tudo será diferente, portanto, acabam tendo filhos também.

E a mãe continuará tendo orgulho em se achar a melhor amiga dos filhos, esquecendo-se que amigos a gente escolhe. Talvez se ela se dedicasse a desempenhar seu papel original as coisas fossem diferente.

Algumas (sugerem-me colocar sempre esse algumas) mães não são as melhores amigas dos filhos; elas são cúmplices.

Escondem do pai a maioria dos comportamentos reprováveis, são empresárias do marketing de suas filhas, "modelos ou atrizes em potencial" custe o que custar, ocultam a primeira bebedeira do filho e assim por diante.

Talvez, devido à inclinação de sentir-se sempre jovem, moderno e progressista, grande número de profissionais dedica-se a entender os adolescentes.

Sua função seria plena de êxito se conseguissem fazer esses adolescentes queixosos de que ninguém os entende, entender que, de fato, ninguém tem obrigação de entendê-los. Seria meritosa sua função se convencessem os adolescentes, que vivem se queixando com o velho chavão de não terem pedido para nascer, de que seus pais também não pediram para nascer exatamente eles.

Poderiam ter nascidos crianças melhores.

Em meu caso, longe de ser um consultório inusitado, tenho visto mais freqüentemente pais frustrados com os filhos do que o inverso. De qualquer forma, ao menos em termos de publicidade, tem sido bem menor o número de profissionais que se dedicam a compreender os pais frustrados.

Não apenas frustrados porque não existe o Dia dos Adultos (como Dia das Crianças), mas também porque os pais dos amigos dos filhos são sempre melhores, porque todos (incluindo as mães cúmplices) gostariam que os pais fossem mais generosos com o dinheiro mas, ao mesmo tempo, recriminam qualquer tentativa de economizar o dinheiro suficiente para serem generosos...

De fato, quando um adolescente se suicida, a sociedade tende a avaliar seus pais com olhos pouco compreensivos, mas o inverso, ou seja, quando um dos pais se suicida, ninguém olha seus filhos com malícia.

Voltando ao tema original do capítulo, concluímos que, de fato, crianças e adolescentes podem sim estar frustradas com seus pais, na mesma ou menor proporção que os pais também se frustram com elas.

Comportamento (Personalidade?) Infantil de Risco


Um tipo de comportamento infantil, quiçá algum traço marcante de personalidade (que deve ser corrigido), tem se mostrado mais vulnerável aos severos problemas de conduta no futuro. Trata-se do tipo “menino reizinho” ou “menina rainha”.

É uma atitude existencial infantil bastante problemática, que não existiria sem a colaboração expressa dos pais, avós, tios, enfim, da platéia de servos que rodeia a criança.

É fácil identificar esse tipo de criança. Ela não aceita nenhum limite, impõe sempre sua vontade e questiona veementemente a autoridade. Em casa, na escola e mesmo com seus amiguinhos e familiares, a criança-rei mantém relações interpessoais conflitivas.

Impõe suas exigências e utiliza teatralmente os demais para obter seus desejos. Ao lado da habitual simpatia, necessária para que sua maneira de lidar com os outros seja eficiente, são sempre muito egocêntricos e não demonstram nenhum respeito para com os sentimentos e direitos das outras pessoas.

Esse traço pode vir a ser um severo problema de conduta no futuro. Há, entretanto, uma diferença entre a criança-rei e a criança simplesmente mimada. Esta, ostuma ser uma criança privilegiada, tanto no plano material como na esfera afetiva, mas se comporta dentro dos limites estabelecidos para a vida gregária harmônica, enquanto a criança-rei impõe sua vontade por quaisquer meios; chantagem emocional, gritos e berros, birra, desobediência simples, mentiras, etc.

Um dos grandes obstáculos à melhora dessas crianças costuma ser a opinião de alguns familiares, normalmente avós, que consideram essa postura arrogante e egocêntrica como se tratasse de mérito ou qualidade desejáveis da personalidade (personalidade forte, como costumam dizer).

Na realidade esse raciocínio é, muitas vezes, uma defesa contra o sentimento de impotência desses familiares diante do problema.

Ao contrário do que podem pensar as pessoas que convivem com as crianças que tiranizam todos à sua volta, elas não são, obrigatoriamente, felizes.

Talvez serão menos felizes ainda no futuro, quando a realidade da vida impuser limites reais às suas condutas. Portanto, para boa saúde mental e boa capacidade de adaptação à vida em geral, é imprescindível definir limites nítidos, precisos e, sobretudo, sensatos sobre o que a criança (e pessoas em geral) pode e o que não pode.

E essa tarefa deve começar o mais precocemente possível.

Uma das importantes funções do estabelecimento de limites é para a criança conhecer a frustração e se adaptar à realidade, mas essa tarefa só será possível quando os pais conhecerem a diferença entre "frustração" e "sofrimento".

Tal distinção também será necessária para que se ensine à criança as noções de direitos e deveres, principalmente dos deveres.

Ensinar a frustração significa ensinar a participar da vida cotidiana, a conviver com as outras pessoas e a superar os conflitos que, inexoravelmente, existirão durante toda a vida.

Crise de valores e violência - Mitos e Verdades

A intenção é comentar alguns mitos sobre criação de filhos, frustrações de crianças e coisas assim. Escolhemos algumas questões socialmente relevantes:
- Crianças adotadas são mais problemáticas.
- Filhos de pais separados têm maior incidência de problemas emocionais.
- É culpa dos pais os filhos delinqüentes, que agridem até familiares

Mito: Crianças adotadas são mais problemáticas.
Realidade:
De fato, estatisticamente as crianças adotadas costumam ser mais problemáticas e, inclusive, esses problemas parecem depender muito da vida que tiveram antes da adoção (em orfanatos, com pais biológicos, etc).

Em tese, alguns estudos têm sugerido que as possíveis alterações no desenvolvimento de crianças adotadas podem ser estudadas juntamente com as eventuais alterações que sofre também a criança interna em orfanato.

De certa forma, isso é verdadeiro em grande número de casos, partindo do pressuposto que as crianças adotadas passaram, antes, algum tempo em instituições asilares, portanto, mesmo adotadas elas carregariam as vivências da instituição.

Há ainda quem compare as possíveis alterações observadas no desenvolvimento das crianças de orfanato, com as possíveis alterações de outras crianças que vivem em seus lares mas, não obstante, também são vítimas da Negligência Precoce.

São os casos onde a mãe pode até estar fisicamente presente, mas é emocionalmente distante.

Uma das seqüelas da criança de orfanato diz respeito à graduação ou nível em que estabelece vínculos íntimos com outras pessoas.

Alguns, por um padrão de Vínculo Inseguro, costumam ser exageradamente amigáveis com todos que se aproximam, como se tentassem atrair a companhia e de alguém que lhes desse mais segurança, outros, ao contrário, parecem evitar qualquer aproximação mais calorosa, como se tivesse medo da decepção.

Essas crianças parecem que sentem a falta de pessoas particularmente sintonizadas com elas e, apesar disso não produzir necessariamente um evidente distúrbio de vínculo, pode fazer com que elas oscilem para mais (vínculo inseguro) ou para menos (vínculo embotado).

Nas crianças adotadas precocemente e que nem tenham tido contacto com pais biológicos ou instituições asilares, embora as chances de problemas diminuam, existem elementos genéticos de valor inquestionável.

Uma das mais sólidas concepções acerca da Personalidade foi baseada na constituição biotipológica, segundo a qual a genética não estaria limitada exclusivamente à cor dos olhos, dos cabelos, da pele, à estatura, aos distúrbios metabólicos e, às vezes, às malformações físicas, mas também, determinaria às peculiares maneiras do indivíduo relacionar-se com o mundo: seu temperamento, seus traços afetivos, etc.

Mesmo considerando a possibilidade (superestimadas, às vezes) de que o amor e carinho consertam tudo, não se pode negar a natureza biológica do ser humano.

Tendo por base nossa natural submissão ao reino animal e nossa submissão também às leis da biologia, da genética e dos instintos, os genes herdados se apresentam como possibilidades variáveis de desenvolvimento em contacto com o meio (e não como certeza inexorável de desenvolvimento).

Mito: Filhos de pais separados têm maior incidência de problemas emocionais.
Realidade:
Estatisticamente nada tem sugerido ser diferente a incidência de transtornos emocionais entre filhos de pais separados em comparação com a incidência de filhos de pais que vivem juntos.

Particularmente em meu consultório, essas incidências são absolutamente idênticas nos dois grupos.

O abandono infantil, que pode muito bem acontecer em famílias de pais que vivem juntos parece ter uma importância muito maior no desenvolvimento de transtornos emocionais e de personalidade nas crianças.

No site Boa Saúde, tem uma reportagem intitulada Divórcio e filhos, que diz assim:... não se têm notícias de que a maioria dessas crianças afastada dos pais tivesse forçosamente um único destino, o de se entregarem aos vícios, ou de fracassarem na escola, ou de precisarem de assistência mental ou psicológica.

Afirmar, portanto, que a separação pura e simples gera filhos com problemas é colocar de imediato, nos filhos de pais separados, o rótulo de filhos-problema, quando eles nem sequer ainda cresceram ou demonstraram quais serão suas tendências pessoais.

Os filhos de pais separados hoje são em número praticamente equiparado aos filhos de pais que vivem juntos e o rendimento escolar, o comportamento e as emoções são difíceis de distinguir entre os dois grupos.

O que desestabiliza emocionalmente os filhos, por ocasião de um divórcio dos pais, não é a separação em si, mas como ela é administrada e muito do humor dos filhos dependerá, daí por diante, do humor, da atenção e das condições do pai ou da mãe que tiver ficado com sua guarda....

É mais ou menos unânime a opinião de que a separação conjugal proporciona mudanças definitivas na maneira de viver (e de sentir a vida) de todas as pessoas envolvidas, sejam os filhos ou os pais.

Entretanto, ainda que esses filhos adquiram maneiras diferentes de representarem suas vivências, isso não significa que tenham transtornos emocionais e, principalmente, que tenham mais transtornos emocionais que outras crianças.

Muito mais importante que a separação conjugal do casal é a atenção e carinho que recebem as crianças para seu desenvolvimento. Judith Wallerstein, estudiosa de separações conjugais, escreve em seu livro " Filhos do Divórcio": quando os pais decidem pela separação após pensar bem e considerar cuidadosamente as alternativas, quando previram as conseqüências psicológicas, sociais e econômicas para todos os envolvidos, quando acertaram manter um bom relacionamento entre pais e filhos, então é provável que as crianças não venham a sofrer interferência no desenvolvimento ou desgaste psicológico duradouro.

Por outro lado, se o divórcio for realizado de modo a humilhar ou enraivecer um dos parceiros, se o ressentimento e a infelicidade dominarem o relacionamento pós-divórcio, ou se as crianças forem mal amparadas ou informadas, se foram usadas como aliadas, alvo de disputa ou vistas como extensões dos adultos, se o relacionamento da criança com um ou ambos os pais for empobrecido e perturbado e se a criança se sentir rejeitada, o desfecho mais provável para as crianças será a interferência no desenvolvimento, a depressão ou ambos".

Mito: É culpa dos pais os filhos delinqüentes, que agridem até familiares
Realidade:
Em termos. Evidentemente, se constatamos que todos os filhos de um casal têm sérios problemas de conduta, o bom senso recomenda considerar que o problema seja de ordem familiar, genético ou educacional.

Alguma coisa de muito ruim aconteceu na geração ou educação e desenvolvimento desses filhos, comprometendo o desenvolvimento deles todos.

Entretanto, quando constatamos ocorrência do distúrbio de conduta em apenas parte dos filhos, normalmente apenas um deles, o mais provável é que o "defeito" seja do filho e não dos pais, já que o mesmo lar foi compartilhado por outros filhos e o problema de conduta não se repetiu.

Trata-se, muito provavelmente de um problema atrelado ao caráter do delinqüente.

Os adolescentes e jovens que se destacam pela hostilidade exagerada, podem ter um histórico de condutas agressivas que remonta a idades muito mais precoces, como no período pré-escolar, por exemplo, quando os avós, pais e "amigos" achavam que era apenas um "excesso de energia" ou uma travessura própria da idade.

Como pudemos observar, o melhor e olhar o que e como passamos as coisas para nossas crianças, e não ter medo principalmente de dizer um não, para que mais tarde eu não tenha que dizer um sim para o Analista....

Publicado em 11/03/2009 às 10:24 hs, atualizado em 04/09/2012 às 15:10 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 13 ARTIGOS SOBRE :
Psicoterapia na Terceira Idade
A Ansiedade e as Crenças
Dica e Exercícios para Detectar Crenças e Diminuir Ansiedade
Inteligência Emocional pode ser a chave para o sucesso
Qual é a Diferença entre Psiquiatra, Psicólogo e Psicanalista?
Carência afetiva - Inimiga número um do nosso crescimento
Quem sou eu, e como posso sentir-me bem comigo mesmo?
Onde estão os problemas: dentro ou fora de você?
Medo de Dirigir: como enfrentar?
O Que é Depressão?
Relacionamento entre Pais e Filhos
Largue o papel de vítima!
Como desenvolver a auto-confiança

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Auto-ajuda, terapias e esoterismo e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.